Me deu uma vontade enorme

de iniciar um poema sem fim

comecei pelo meio desviei

para o início, faltou rima

para terminar o verso

e o medo de descobrir

que o fim já estava escrito...

Comentários

  1. Se a imagem do perfil fosse em tempo real, Leila, você veria minhas barbas de molho e minhas bochechas roxas de inveja!

    Que idéia genial! A metalinguagem afirmando a impossibilidade de fazer o poema que está sendo feito e expondo as incertezas da criação e da própria vida.

    Cheguei em ótima hora ao seu blog, sem dúvida!

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Interessante...
    Entre o ir e vir
    A possível descoberta
    do ponto sem ponto final...
    A expectativa do vir a ser
    Atiça o desejo aberto
    em um sorriso, afinal...
    Nada mal...

    ResponderExcluir
  3. Adorei o seu blog Leila. Estava mesmo procurando blogs interessantes para seguir. Gosto muito de escrever e sempre aprendo algo novo com outros textos e pessoas. Parabéns novamente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas