terça-feira, 25 de março de 2014

Ávido por santas em altares sacros
canta poesia em buracos da noite,
tem a boca suja dos 
desmanzelos da madrugada,
é livre dentro da sua prisão.
poeta das vagas rimas
reticente na vadiagem dos dias,
um molambo vadio
sem rosto.
Dentro do esgoto  sonha mais,
é desgosto, nasceu no agosto
feito trapo, lambe a saliva 
que escorre suja,
entre os dedos fluídos de putas,
poeta do desalento
morreu no esquecimento.


segunda-feira, 24 de março de 2014

domingo, 23 de março de 2014

Solitário blues,
dança nas cordas
velhas lembranças,
grita a alma
solitário blues,
carga pesada
intrépido blues,
vem,
dança nas cordas
velho blues,
verdade e dor
é o blues,
solitário blues.

sábado, 15 de março de 2014

Pela janela,
entra um ar de outono,
me pega fixando saudades
com fita transparente,
sem rima no silencio da tarde
imagino parar o tempo,
como quem quebra um trem.
Descarrilha fotos risos abraços,
tem estação nos dias,
que não mudam com os ventos.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Distribuiu sorrisos na avenida
amanheceu na realidade,
sem purpurina, nem fantasia,
atravessou o samba, cantou
a cidade vazia quando lavou
o corpo com poesia.

quinta-feira, 13 de março de 2014

o teu amor Alexandre Moraes, é feito de pequenos detalhes,
parte do meu sorriso, vem deste teu jeito suave de abraçar, 
antes que eu dance sozinha, tu me enlaça.

quarta-feira, 12 de março de 2014

E se a alegria se espalhasse?
E o vento levasse sonhos,
os pés dançassem e as bocas
perdidamente beijassem?
Quebrada a constância dos dias,
os olhos beijariam, as almas dançariam,
 bocas sonharíam
e o vento abraçaria.

terça-feira, 11 de março de 2014


Brinca de fazer novos dias
assusta passarinhos,
dançando descalça pelos fios,
canta bem alto o amor.
Sem medo de cair,
avoa avoa avoa...

segunda-feira, 10 de março de 2014


A estação muda,
troca a pele
vira a página,
outra moda
o mesmo céu.
Preciso de um batom
cor de aurora.

terça-feira, 4 de março de 2014

Poesia breve
são nuvens ligeiras,
rimam aqui
respingam longe.
No horizonte,
o passado é
uma delas,
bem grande,
rosada.

segunda-feira, 3 de março de 2014

A gota,
suspiro do suor,
escorria lentamente,
escandalizou o dia.
Assistida,
fez da manhã,
tela de cinema.

sábado, 1 de março de 2014

Bom mesmo é ver os dias,
entrando lentamente
pela janela aberta,
sentir o perfume do tempo,
desenhos no horizonte.
Bom mesmo é reconhecer as flores.

Gravataí-Rs leila silveira

Nunca fui tão linda, nem tão boa, nem tão eu.  Mais facilmente me balanço na teia da aranha, vejo flores de outras cores. Passarin...