segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016



Vai caindo a tarde e a música é a mesma, de outro entardecer, como se o céu fosse um espelho dos dias aqui embaixo. 

São reflexos vadios, que voltam com as lembranças. 

Aquele olhar distante, aqueles planos, aquele sonho da fotografia,
quando minha mão e a tua faziam sombras alegres na calçada.

Nosso horário de passeio, acompanhar as luzes até a noite chegar, 
registrando as silhuetas,
os ciclistas, os encontros.

Quando tempo escrevemos nossa história, sob os jacarandás, acreditando que o destino nos pertencia.

Não precisou despedida, nossa flor não perfumava mais, quando a primeira estrela apareceu.


Nunca fui tão linda, nem tão boa, nem tão eu.  Mais facilmente me balanço na teia da aranha, vejo flores de outras cores. Passarin...