domingo, 31 de janeiro de 2010

P/ escrevedor ceifador de palavras


dois no telhado fazendo
filosofia
sobre o ato de escrever
apareceu palavra
sonolenta:
- vão dormir,
recuperar o juízo
até as rimas o lirismo e o sincretismo
tem que descansar.
Fugi do amor.
Teu mar me trouxe de volta.

Amanheceu uma Dália
no meu jardim
mini sol milagre da natureza.
Em mim desperta
vontade de estar perto
ouvir Barry White
ir ao cinema
beber taças de vinho
estrear lingerie sensual
rir do nada
olhar cheia de intenções.
Seria isso sim,
milagre da natureza
fazer do coração
borboletras
uma doçura dia a dia
até acabar os dias.
teus cds estão comigo
meu dvd esta contigo
"nenhum bom disco
do Noel para repartir",
irremediávelmente unidos.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Experimento de escrita


Escreveu a carta
deu a notícia
parou no ponto.
Bebeu outro gole
porque as palavras
não se explicam sozinhas?
mais um gole
a música sumindo
as entrelinhas não existindo
quem sabe o que
pensaria
da falta dos verbos
adjetivos complementos?
...redação escolar,
que pensasse qualquer coisa
afinal,
não é todo dia que se anuncia
o próprio nascimento.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

No lugar das pernas,
que me fascinam,
rodas,
leves definidas
tal pernas de
ciclistas,
fortes largas
como as pernas
do campeiro,
altas calibradas
tipo as do poeta,
e ainda outras pernas ...
de liga leve.
Covardia!
Chove fininho na tarde
minha Alma
me abandonou...
Está de caso
com teu belo poema.
Eu agora de lado
só vendo
esta alegria.
Teu poema
galante
se enamorou
da minha poesia
que cheia de fantasia
conta ao mundo
tanta euforia.
gosto desta casa - vida de portas abertas
sem trancas.
os muros altos só prendem quem quer prender.
... deixar a janela aberta
olhar
as belezas que passam
não magoam ninguém,
coração livre não precisa voar
já possui asas de querer bem.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010


Preciso de
um litro de vodka pura
dois ou tres cds de jazz
e
uma noite ao luar,
para te contar
do meu ano passado.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

amanheci vestida de purpurina
brilhando
em preto e branco.
nenhuma explicação
ou senão,
na ausência do colorido
a fartura dos sentimentos
o êxtase ...
amanheci sonhada.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

domingo, 24 de janeiro de 2010

Posta teu poema em mim...
Derrama tuas letras
na minha boca.
Quero acordar com
hálito da tua rima.
Amanhecer feito
jornal,
aberta nas tuas mãos.

Gente
chegando
saindo,
virando
nossos dias
em dias menos
domingo,
mais dias
de ver gente
colorida,
pra gente ser menos
domingo.
Mais gente.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Senhoras nas janelas, ansiosas
esperando o poeta passar...
Atrás das cortinas, suspiros...
Passa o poeta
deixa um rastro de perfume...
Joga intenções no olhar fugidio,
desperta desejo em cada uma
das incautas senhoras...
Não sabem que o poeta leva
dentro do seu paletó,
cachos louros guardados e
um coração magoado
pela única que disse: não!
Os frêmitos das senhoras
fazem tremer a rua, as calçadas...
Enquanto, de longe,
o pajem do poeta observa e sentencia
Vai nascer! Mais uma poesia... nascendo.
borboleta de asas curtas
longos vôos...

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

me descubro
com alma feminina
cheia de feminice,
como se fosse
passar diante da tua janela
perfumada
bonita
leve.


Meus dias
precisam
um porto.
Os barcos
estão seguros no cais
mas foram feitos, para se lançarem ao mar.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

"Ouça minha música
silenciosa,
só toca dentro do
coração.
Nesta estrada vão
brotando novas
flores,
mas o céu
é sempre o mesmo."
Um deus poesia
que milita em causas
libertárias
humanitárias.
Um deus que move
pessoas
movimenta o mundo
em sua volta,
que se revolta.
Um deus anárquico
desnudo de hipocrisia
todo utopia.
Que surpresa
"meu Deus"
quando pensava
que estes
eram findos,
surge nu
Alma de fora
cabelos longos,
como são longas
as esperanças
do povo.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Esta noite por entre
estrelas
surgiu um Deus
saído das águas
moreno de sol
respingado de vida
molhado de poesia.
Feminice
Agora mesmo penso em usar
uns brincos de margaridas
aquela blusinha sem alças
a saia amarelinha,
me vestir de mulherzinha
sair bem devagarinho
desandando feminice,
em algum lugar,
tem um olhar espiando
esta faceirice.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

" Porque a vida seja amarga
sempre existe alguém
que enche você de amor
paz, amizade e saúde
Te adoro D+
Especial para
Profe Leila."
****************************
poetisa mirim Jéssica, com 10 anos
ensinando que amor e poesia
não se compra, não se paga
é simplesmente um estado de espírito.
obrigada criança Jéssica pela lição de vida.
quero este amor
clichê
parachoque de caminhão,
bem leviano
de esquinas e asfaltos,
colorido de chita
no estofamento,
cheiro de combustível
e janela para
o mundo.

me dá teu olhar
prá eu cair
dentro da
noite.

...aquele blues tocava

enquanto ela saía.

jogando os cabelos

dando de costas,

nem a noite

nem o blues

trouxeram seu

olhar de volta.


(para www.confrariadoblues-rs.blogspot.com)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

O moreno na rede
a lua beija seus cabelos
pretos,
as estrelas
estão
em seu sorriso.

Eu sou só
a brisa
que sopra o ar
do mar
e
faz poesia
na pele amada.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Cabelo ao vento
figura esguia
vermelho batom.
Longas pernas
perfume doce
gotas de suor.
Chapéu com fita
colar de pérolas
social.
Dentro
uma miragem,
sem enfeites
contas de vidro
amor de papel.

Mesmo quando chove
Sai de salto agulha
Sapato de verniz.

Na calçada
À espera
Gravata borboleta
Sapato bicolor.

Chove e o gramofone
Melancólico,
Se faz realidade.

Transforma o
Soturno em sonho,
Dos seres sem rosto
Alcovas
De cetim e veludo.
Coloridos vivos
se ensaiam ao sol.

Desbotados aquarelados
lânguidos para um só
olhar.

Firmes rijos
alegres.
Poídos gastos
de lembranças.

Vestidos brejeiros
Enxovais esquecidos

Roupas nos varais,
Linhas e bastidores...
Fotografia

a felicidade realmente é
uma coisa estranha...
espelha no brilho do olho o instante
que perdura...
no sorriso que reparte...
e no reflexo
pra quem assiste.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

sábado, 9 de janeiro de 2010

Digo
eu vou.

E, vamos andar
catar estrelas
juntar ondas e a noite
podemos ouvir só o som dos astros tomar as estrelas como chá.

Enquanto o belo homem da praia diz:

- Faça a poesia com nacos de minha alma e beba o sol de mim
com as marés de mim
que desejo te inundem.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

quando chovia gostava de soltar barquinhos,
depois descobriu
que o melhor para navegar e,
naufragar ...
é no corpo de uma mulher.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Sou simplesmente
Uma parte de tudo que esmero
Sou apenas aquilo que espero

Todavia ,enquanto vivo
Cada momento
Pago centavo por centavo
Por meus sentimentos

Amo simplesmente
Porque o amor é eterno
Não porque esperam de mim
Que eu conheça e respeite
Todos sentimentos fraternos.

Não sou assim
Se me perguntarem,
Se me olharem com atenção,
Entenderão,
Que sou livre, que sou
Aquela a quem todos amaram
Contudo, jamais conquistaram

Posto que sou Lilith
Assim mesmo,sem véu
E sem pudor...
Apenas eu, afeto,verdade,
E amor...
Duvidam?
Paguem para ver...
Ou têm medo do amanhecer
Sem o seu deus...

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Porque preciso escrever?

Como se fossem doces

numa prateleira

De confeitaria,

As palavras me atraem

Me seduzem.


Saltam de quartos

Camas sedas

Saem pra rua

Pulam janelas

Correm pelo jardim.


Riem riem de mim

Não tenho controle

Me traem

Quando não quero

Me maltratam

Me fazem dor.


Outras vezes

Estão tórridas de amor

Se deitam

Se deleitam

Acreditam em

Estrelas promessas.


Outras tantas

Traduzem de mim

Uma tristeza sem fim

Um vazio da

Ausência .


Falta da pontuação

Que deixa todas elas

Palavras,

Tão soltas

A vagar.


flores na porta...uma certa casa.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

vivendo dias de desassosego
onde a poesia se recusa
vir para fora
se despiu de tudo
não quer ouvir nada
dizer nada.

Nunca fui tão linda, nem tão boa, nem tão eu.  Mais facilmente me balanço na teia da aranha, vejo flores de outras cores. Passarin...