terça-feira, 29 de outubro de 2013

Escreveria cartas, todos os dias
me corresponderia com minhas
personas, passadas e futuras,
que delícia abrir um envelope
sem selo, marcado pelo tempo
das minhas historias.


Retrato de la señora P. 1924 - Obra de Paul Klee

Sobra vida nos meus ponteiros,
horizontes, amanheceres,
sobra alegria nesta primavera,
corticeiras em flor,
caem as velhas folhas
ficam as flores.
Te amo no sonho,
te amo mansinho,
conheço teu olhar,
te ouço cantando e te amo mais.
Cada vez q fala baixinho
no meu ouvido,
é tua boca q me encanta
minha pele
doura na tua,
me tatuo de ti
e me vejo em
teu sorriso.
Borboletas derrubam
monstros,
 engolem suspiros.
Borboletas pousam no mel.
Voam e brincam,
passeiam no vento.


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

A fotografia mostra, 
tem sempre um vento
fazendo estrepolia,
nos olhos de quem
sonha. 

terça-feira, 22 de outubro de 2013



Quase infantil, quase nua,
faz versos como bolhas de sabão
sobe junto,
sopra nuvens.
Não tem forma nem cabimento,
balança na poesia
não tem hora nem dia.
Pratica rima com cinco Marias,
chora de alegria,
viaja na ventania.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Deixando o Pago - Vitor Ramil (estúdio)



Cruzo a última cancela
Do campo pro corredor
E sinto um perfume de flor
Que brotou na primavera.
À noite, linda que era,
Banhada pelo luar
Tive ganas de chorar
Ao ver meu rancho tapera


A menina vive no jardim
em dias de sol, dança com borboletas
quando chove pula poças,
deita em nuvens,
pinta arco íris no ar,
não vai mudar o mundo,
nem espera milagres.
Ama os dias 
como quem adora sorvete,
não lança mais garrafas ao mar
desencantou dos tubarões,
pendura sempre vivas
na ciranda,
ama. 

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Bateu a porta
pintou as unhas
borrou aos passos
renasceu
nua nos braços
calmos
do amor estrangeiro.
Entre colcheias
esparrama
dores
flores
beiços
entre pontos
amansa
caseados
na pele
branca.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013


O Beijo -Auguste Rodin

Essa lua profana,
 misto de dama e insana,
 me olha com sombras
 por sobre a noite morna,
 não deita nem delira,
 é a primeira,
 na porta da loucura
  a última, a sumir da rua.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

sábado, 12 de outubro de 2013

Debruçada nas franjas
daqueles cílios,
ela pedia:
seja eterno.
O horizonte dos olhos dele
estava em nuvens esparsas,
cheio de outras rotas,
não seria.
Na incerteza, o amor desamou,
fugiu antes de partir.
Virou lembrança,
em cada esquina
 onde antes dançou.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

A mansidão do teu olhar
a doçura dos teus carinhos
tem um mundo inteiro,
dentro deste teu coração.
Perfeito e lindo, te recebo
como um presente.
A vida, esta roda gigante
me faz girar junto,
amando desabrochando,
como a natureza,
bela e frágil, 
misteriosa,
como a felicidade.





terça-feira, 8 de outubro de 2013

Palavras reviradas renovadas
iguais,
misturadas,
gosto das coisas inventadas,
como estas
que nascem dos olhos
olhando dentro dos meus.
Amar é sempre novo.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

sábado, 5 de outubro de 2013

Te vestiras com teu sotaque. Eriçando minha pele com tua voz, me despirei das saias e fitas, serei a tensão desabotoada
da tua canção.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

O dia fica mais bonito
quando o vento sopra 
beijos pelo caminho.

Porto Alegre - foto Leila Silveira

Nunca fui tão linda, nem tão boa, nem tão eu.  Mais facilmente me balanço na teia da aranha, vejo flores de outras cores. Passarin...