Alma de vidro sentou no divã,
embaçada, sem transparencia
fustigada por muitos contra amores
e uma chuva cinza,

Descobriu no meio da análise
que seria sempre de vidro
meio caminho para não ter medo,

O resto foi feito com flanela nova
e um tanto de amor próprio,

Ainda é sujeita a quebras
mas reconhece de longe
a desilusão e a dor
escolheu refletir o sol.


Comentários

Postagens mais visitadas