Do lado de fora das paredes, 
o sol é escaldante e barulhento,
no termômetro  de rua, que não fala
mas causa espanto, o veredicto:
livros não servem como leques.

Na paz dentro das paredes, 
janelas fechadas fingem outono.
A leitura dos anônimos 
e notáveis marcados nas lombadas
empoeiradas, um prazer imenso.

Me torno comedora de sabedoria
de sentimentos de vivências,
a quietude suspira em algumas
folhas de intensa verdade, suspeita.

Não sei bem de onde vem esta 
paixão ancestral de ler universos,
absorver o passado e o impossível ,
me entranho nas vidas que leio.
Amanhã eu ligo o mundo de novo, hoje não.

Comentários

Postagens mais visitadas