domingo, 7 de setembro de 2014

Matou-se
a cada dia
que vivia.
Na androginia

do sentir
não sentia nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nunca fui tão linda, nem tão boa, nem tão eu.  Mais facilmente me balanço na teia da aranha, vejo flores de outras cores. Passarin...