Os Dias de Hoje

Cada dia aqui um monótono
deslizar de tempo.
Arrastar correntes.
Nada tem razão ou fim.
As janelas estão abertas
mas não deixam passar a luz,
nas ruas todos iguais
nem borboletas ou magnólias.
As casas sombrias os caminhos
íngremes.
Levo minha mala pesada
dentro a poesia sufocada
amordaçada alegria
os sonhos empacotados.
Buscando forças para alcançar o porto.
Partir sem olhar para tras.
Seguir.

Comentários

  1. Leila, surpreendente a tua poesia. Quem diria! Pequena de alma grande assim. Que bom para nossos poetas que andes por essas bandas missioneiras. Vou examinar muito bem esse Blog.

    Mário

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas