Respiro e me reviro
Ainda existe vida
Entre céu e terra
No meio, algozes.
Afrodites e quimeras
Cantam na melodia
Inexistente.
Balançam os horizontes
No olhar desiludido,
Expiro em porções pequenas,
Dando tempo
Para o poema, 
nascer da dor.

Comentários

Postagens mais visitadas