Nasci ontem, longe no tempo
ainda ouço as cantigas de um amor
em sonhos rebuscados de poesia e cor,
no velho caramanchão uma tarde morna,
aquece o olhar de quem tem saudade.

Ouvir o som dos dias no badalo da capela
sentir o perfume de gardênias e cravos,
escrevendo uma interminável carta
caligrafia caprichada desenhada,
destilando dolente romance.

Entre as dobras das saias se esconde
a vontade,  a verdade, o pranto,
nas  tantas linhas escritas
uma palavra apagada,
sob a mancha da gota a eternidade:
te espero porque te amo.

Comentários

  1. Excelente poema. Trouxe-me à memória o meu tempo de menina. Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas