No olhar que observa o mundo, cristalino,
uma dor sem conta, parecida com outras tantas,
um dia foi de cores outras inesquecíveis,
algumas ainda, marajoaras.
Dores fincadas n'alma,
cruentas sem sangrarem
gritadas no escuro do Ser.
Escreveu na grossa casca da árvore,
pintou na proa do barco,
enquadrou na tela,
nenhuma ficou.
Cada mágoa teve seu tempo.
Desfeito em panos velhos
pincéis ressecados 
segue pelo mundo arrastando correntes
do passado crucificado.
Choraram louras morenas e doutoras,
na sinfonia fez  a bailarina cair,
nenhuma estrela prata com amor suficiente.
Imperfeitas, amadas de momento,
desprezadas por qualquer outra mais reluzente,
cobre seu horizonte com o negro manto,
não tem coração,
no limbo dos sentimentos
espera reconhecimento.
Um dia amará o amor que faria sobrevida
dentro da casca vazia.
Resta sempre uma fotografia
e ele dirá:
 "não foi importante não tenho nada com isso". 

Obra: Mulher Chorando - Pablo Picasso

Comentários

  1. Você tem olhos claros, límpidos e profundos capazes de descrever perfeitamente uma pessoa, mesmo que doa, em poesia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas