quinta-feira, 13 de junho de 2013

Noite,
rastros de saliva nos meios fios,
a língua deita nos muros,
parindo poesias na madrugada.

Um comentário:

Nunca fui tão linda, nem tão boa, nem tão eu.  Mais facilmente me balanço na teia da aranha, vejo flores de outras cores. Passarin...