Odilon Redon. FIANDEIRA

A cor da linha, clara, teceria o dia
nos fios poesia desenhada,
formando cachos enroscados
em dedos ágeis febris.
Cores neutras dizia o artista
nuances vivas, gritantes, dizia a tecelã,
seria uma composição sem rococó,
estilo arco íris ou céu de temporal,
nem um pouco pastel, nada de mel,
arrebenta o tear, 
ou torna viva a tela.

Cores vivas de uma terra hostil
Disse o forasteiro
No sabor da uva correm vinhos
No sangue, veias...
Tê-la é uma tela em branco
Vento minuano. Querência a soprar
Carências guardadas no ar.
(poesia com a participação de Américo)

Comentários

  1. Grande poema! Deliciosamente repleto de sutilezas como um fino bouquet. Gostei muito!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas